Dor na relação sexual

Sentir dor não é normal em nenhuma situação, principalmente em um momento tá especial e íntimo! 😉

A dor durante a relação sexual, também chamada de dispareunia, atinge as mulheres com uma certa frequência.

Ela dificulta não só a relação sexual, mas compromete a rotina da mulher porque impede qualquer tipo de penetração. Esse incômodo acontece inclusive na hora de fazer exames ginecológicos.

👉🏼 Ela pode ser classificada em dois tipos:

✔Superficial: quando ocorre em torno da abertura da vagina, normalmente no momento da penetração. Neste caso suas possíveis causas são: infecções genitais como herpes e candidíase (que costumam causar bastante ardência, já que a área da vulva fica inflamada), vaginismo (condição na qual a musculatura pélvica se contrai involuntariamente, tornando a penetração inviável) e sensibilidade aumentada na área vaginal.

✔Profunda: dor sentida mais dentro da pelve. Em geral, durante o movimento peniano.

👉🏼 Em ambos os casos, as características da dor são as mesmas e se manifestam em forma de ardência ou como uma cólica muito forte.

⚠ É importante também ficar atenta à possibilidade desse sintoma ter relação com a chegada da menopausa, pois nessa fase, pode haver ressecamento vaginal por conta da diminuição do nível de estrogênio.

👉🏼 Caso a dor apareça durante as relações sexuais, é preciso buscar ajuda especializada.

⚠ O diagnóstico é fundamental.

Portanto, o primeiro passo é marcar uma consulta com o ginecologista para verificar se existe alguma doença por trás do sintoma e iniciar logo um tratamento, se for preciso.

Refúgio

Hoje eu conversava com uma pessoa a respeito da Síndrome de Burnout.

É bem verdade que esta doença acomete, principalmente, profissionais da Saúde. Porém, ao entender o que ela significa, você vai perceber que também pode afetar outras pessoas.

Em tempos de pandemia, com o medo do contágio, o confinamento imposto e as dificuldades financeiras para a maioria da população, é inegável o impacto no emocional das pessoas.

Assim como as longas jornadas de trabalho sob forte pressão, a cobrança de resultados e o receio da exposição, também têm castigado muito os profissionais de saúde.

Burnout, também chamada de síndrome da estafa profissional, é uma doença causada pelo estresse ocupacional contínuo e prolongado. Ela é caracterizada por um esgotamento profissional, com perda da personalidade e ineficácia na realização das tarefas, agravados pela indolência e sentimento de culpa.

Sendo assim, é fundamental você saber dosar a sua carga de trabalho e intercalar com momentos de descanso, para repor as energias. Atualmente, tenho escutado de muitas pessoas que trabalham ainda mais em “home office”, se comparado ao tempo dispensado na época em que o horário era cumprido na empresa.

Ficar imerso no trabalho, de forma intensa e ininterrupta, com a alegação que deixará para descansar mais tarde, é o primeiro passo para adoecer corpo e mente.

Em momentos difíceis como os atuais, é de extrema importância sabermos equilibrar as atividades laborais e o lazer. Se possível, recorrer a um local que possibilite recuperar as forças.

Por isso, quando me perguntam porque vou à Teresópolis, mesmo sem precisar e para não fazer nada, respondo:
“Nunca foi tão importante termos um refúgio”.

Benefícios que a alimentação pode trazer no climatério

Para muitas mulheres, passar pelo climatério é um grande desafio.

👉🏼 Afinal, são muitos os sintomas que surgem nessa fase da vida. Mas você sabia que uma alimentação saudável pode funcionar como ótima aliada?

O consumo de proteínas, por exemplo, pode ajudar a prevenir perda muscular neste período.

👉🏼 A ingestão de proteínas tem efeitos positivos sobre a manutenção e ganho de massa muscular e também na redução de gordura corporal.

Mulheres que têm uma alimentação mais rica em proteínas e também optam por alimentos mais saudáveis como frutas, vegetais, peixes e grãos e fazem caminhadas diárias.

Além de fortalecerem a musculatura, também possuem a pressão arterial mais baixa do que mulheres que preferem uma alimentação com menor teor em proteínas e são sedentárias.

👉🏼 Outro detalhe é que a queda na produção de hormônios que ocorre com a menopausa está associada à perda de densidade mineral óssea (cálcio) e de massa muscular.

Estes fatores juntos contribuem, principalmente, para aumento do risco de quedas e fraturas.

⚠ Por isso é importante inserir na sua rotina dietas adequadas, aliada à prática de exercícios físicos, com o objetivo de amenizar os riscos para a sua saúde.

😉 Ficou com alguma dúvida? Podemos conversar um pouquinho mais. Comente aqui…

Coma bem

Talvez não faça muito sentido ter uma alimentação super saudável, se você não coloca atenção naquilo que come.

👉🏼 Existe uma diferença entre ter consciência do que se come e comer de forma consciente. Fazer uma reflexão sobre o termo “consciente”, no sentido de entender o tipo de alimento que você está ingerindo.

Ele traz energia e saúde para o seu corpo? A forma como a comida é processada pelo seu organismo está sendo eficaz? Adianta manter uma dieta saudável sem entender como cada nutriente funciona dentro de você? Sabia que até a sua energia e os pensamentos na hora em que você está se alimentando podem interferir no processo digestivo?

👉🏼 Ah, Dr.Sérgio, mas por que você está “filosofando” sobre esta questão? Ora, porque nossa saúde depende muito da nossa alimentação, de entender o que cada alimento representa para a nossa vida. Provavelmente você já ouviu a frase “você é o que você come”.

👉🏼 E durante o climatério, é muito importante dar atenção às questões alimentares, pois são fundamentais para cuidar da nossa saúde e amenizar os possíveis incômodos causados pelos sintomas nas mulheres neste período.

👉🏼 Ter uma alimentação consciente abrange não só ingerir “comidinhas” saudáveis, mas também colocar atenção no alimento em si, pensar nos benefícios para o seu corpo e mente, e como você anda cuidando da sua saúde.

TPM

As mudanças hormonais e os sintomas do climatério causam desconfortos e dúvidas em relação a esse período típico feminino.

👉🏼 Semelhantes às sensações causadas pela TPM, embora mais intensas e prolongadas, as mudanças podem ser caracterizadas de acordo com as fases de cada mulher.

👉🏼 Sim! Pode ser que a TPM ocorra com mais intensidade em mulheres no período do climatério.

Basta observar as queixas mais frequentes como o calor intenso, a irritabilidade, dificuldades no sono e aumento da transpiração, que também são alterações físicas e comportamentais que se assemelham às da TPM, porém, mais intensas e duradouras.

👉🏼 Aqui vão algumas dicas para aliviar os sintomas da TPM no período do climatério:

– A cafeína aumenta a ansiedade e instabilidade emocional, ou seja, seu consumo deve ser totalmente evitado.

– O álcool provoca dores de cabeça, fadiga e depressão e, portanto, também devem ser evitado neste período.

– A quantidade de sal nos alimentos deve ser reduzida para evitar a retenção de líquidos no organismo.

– A prática de exercícios pode reduzir as cólicas, além de melhorar o humor com a liberação de endorfina, hormônio responsável pela sensação de bem-estar.

– Suplementos multivitamínicos podem ajudar, pois estudos apontam que a TPM é causada por ausência das vitaminas A, B6, C e D.

Ser Mulher

Além de ter que dar conta de todas as demandas do dia a dia, realizar tarefas domésticas, ser uma excelente profissional, cumprir seu papel social, lutar para ser aceita numa sociedade patriarcal, a mulher ainda precisa lidar com as questões do seu corpo e as constantes mudanças que ocorrem em todas as fases da sua vida: Menstruação, Climatério… Menopausa!

👉🏼 Existe uma vida que precisa ser vivida durante todo esse processo de mudança e não! Não é nada fácil… porém elas seguem em frente. Se pudermos escolher uma palavra que simbolize o feminino nesse momento, a palavra é Resiliência!

👉🏼 E nós, médicos, estamos aqui para apoiá-las e dar todo o suporte necessário para que, cada uma de vocês, possa enfrentar as batalhas diárias que essas mudanças travam com o seu corpo.😉

Todas vão ter sintomas?

Menstruações irregulares, ondas de calor, secura vaginal, distúrbios do sono e alterações de humor… De cada quatro mulheres, pelo menos três experimentam sintomas desagradáveis no climatério.

👉🏼 Toda mulher certamente vai passar por este processo. E como são diferentes, cada uma enfrentará os sintomas de diversas maneiras.

Tudo isso acontece como resultado dos níveis alterados e desequilibrados de estrogênio no organismo. Mas isso ainda é só um aviso do seu corpo. As coisas ainda não mudaram completamente.

👉🏼 Talvez, alguns dos sintomas sejam sentidos com mais frequência. E lembre-se que outros fatores devem ser levados em consideração, como por exemplo, o seu tipo de alimentação ou estilo de vida de cada pessoa.

😉 Bom, agora você já sabe que não terá como fugir dos sintomas do climatério! Então, procure entender o funcionamento do seu corpo e siga as recomendações do seu médico para prevenir e amenizar os sintomas.

Sintomas do Climatério

Sabia que nem todas as mulheres conseguem identificar, de cara, os primeiros sinais do climatério?

👉🏼 Se você está na dúvida, aqui vão alguns dos sintomas, que podem começar a surgir até os 45 anos de idade:

– Ondas de calor repentinas;
– Diminuição do apetite sexual;
– Tonturas e palpitações;
– Insônia, má qualidade de sono e suores noturnos;
– Coceira e secura vaginal;
– Desconforto durante as relações sexuais;
– Perda de elasticidade da pele;
– Diminuição do tamanho dos seios;
– Depressão e irritabilidade;
– Aumento de peso;
– Dor de cabeça e falta de concentração;
– Incontinência urinária ao esforço;
– Dor nas articulações.

Além disso, no climatério também podem ser observadas várias alterações na menstruação, como ciclo menstrual irregular ou menos intenso. Embora seja uma fase natural da vida da mulher, é importante fazer o acompanhamento com um ginecologista, pois existem diversos tratamentos que podem ajudar a diminuir esses desconfortos.

Cistite de novo?

Ardor e urgência para urinar são sintomas muito desconfortáveis, não é? Mas já imaginou ter esses sintomas repetidas vezes? É a chamada infecção urinária de repetição ou recorrente.

👉🏼 Existem alguns fatores de risco para infecção urinária em mulheres como: a própria anatomia feminina, beber pouca água, o histórico materno, através de relações sexuais, durante a gravidez ou climatério e o uso constante de fraldas.

⚠ Mesmo sendo um problema muito comum, as infecções urinárias podem parecer algo simples, mas sem os devidos cuidados, podem se complicar muito.

👉🏼 Então, fique atenta aos sinais! Se você apresentar 2 episódios ou mais de infecção em um intervalo de 6 meses, ou 3 vezes ou mais num intervalo de 1 ano, veja com o médico se há algo que você possa fazer para a prevenção.