Saúde Mental no Climatério

O climatério não é somente uma fase de transformações biológicas na vida das mulheres. 👩

👉🏼 Ele também causa modificações psicológicas variadas, as quais podem impactar o comportamento e o bem-estar.

👉🏼 Essas oscilações acontecem por conta da redução na produção de hormônios.


Estrogênio e progesterona são os principais responsáveis pelo ciclo menstrual e, quando a mulher chega nesta etapa da vida, os níveis desses hormônios no organismo reduzem consideravelmente.


Dessa forma, a ocorrência da ovulação e da menstruação diminui até deixar de existir.
Uma das principais alterações é percebida no humor.

👉🏼 No dia a dia, o estado de humor da mulher intercala entre tristeza, contentamento, irritabilidade, melancolia e angústia.

😖 Embora a maioria dos problemas psicológicos não seja causada pelo climatério, é compreensível que tais problemas possam surgir ou piorar nesse período.

👉🏼 Algumas sugestões para você tentar prosperar nesse momento e aproveitar uma das melhores fases que pode ser a melhor da sua vida:

• Participe de atividades divertidas.
• Converse com os amigos.
• Encontre ou renove programas criativos ou atividades que satisfazem as necessidades mentais e espirituais.
• Experimente técnicas de redução de estresse e relaxamento, como respirações profundas e meditação.
• Concentre-se em dietas com pouca gordura, sódio, açúcar refinado, álcool e cafeína.
• Arranje tempo para exercícios diários.
• Aproveite as atividades de cuidado pessoal, como massagem ou banhos relaxantes.
• Durma o suficiente à noite.
• Se necessário, procure ajuda profissional.
👉🏼 Gostou? Salva esse post para consultar depois!

Climatério

O climatério é caracterizado por mudanças endócrinas devido ao declínio da atividade ovariana, mudanças biológicas em função da diminuição da fertilidade, mudanças clínicas consequentes das alterações do ciclo menstrual e de uma variedade de sintomas.

👉🏼 Os sintomas do climatério podem começar a surgir entre 40 e 45 anos de idade, e podem durar até cerca de 3 anos.

Os mais comuns são as ondas de calor, ciclo menstrual irregular, diminuição do desejo sexual, cansaço e alterações bruscas do humor. ⚠

Os primeiros sinais e sintomas do climatério que podem começar a surgir aos 45 anos de idade e são:

-Ondas de calor repentinas;
-Diminuição do apetite sexual;
-Tonturas e palpitações;
-Insônia, má qualidade de sono e suores noturnos;
-Coceira e secura vaginal;
-Desconforto durante as relações sexuais;
-Perda de elasticidade da pele;
-Diminuição do tamanho dos seios;
-Depressão e irritabilidade;
-Aumento de peso;
-Dor de cabeça e falta de concentração;
-Incontinência urinária;
-Dor nas articulações.

👉🏼 Além disso, no climatério também podem ser observadas várias alterações na menstruação, como ciclo menstrual irregular ou menos intenso.

👉🏼 Você sente algum desses sintomas? Já procurou o seu Ginecologista para saber os tipos de tratamento e práticas que deve seguir?

Me conta aqui a sua dúvida 👇🏼

Sem emagrecer?

As mulheres na menopausa têm mais dificuldades para emagrecer devido à diminuição do metabolismo. 😲

👉🏼 Principalmente pela perda gradual de massa muscular, fica mais difícil o açúcar entrar na célula, o que gera uma “sobra” e facilita ganhar gordura.

👉🏼 Além disso, as variações hormonais típicas desse período podem levar a alterações emocionais com consequentes mudanças no padrão alimentar, já que comer não é só um ato físico, mas muito emocional.

Desta forma, as mulheres que aprendem a fazer as escolhas certas, se adequam, não engordam e até mesmo emagrecem. 😉

As que não o fazem, isto é, não se adequam, acabam engordando ou não emagrecendo. 😖

👉🏼 Com a queda dos níveis de estrogênios durante a menopausa, os ossos podem se tornar mais frágeis, levando à osteoporose.


⚠ Portanto, é importante aumentar a ingestão de cálcio (leite, iogurte, queijos, peixes, vegetais como brócolis, nozes e sementes) para dar suporte à densidade óssea.


⚠ Evite beber café, chá preto e refrigerantes, que podem interferir na absorção de cálcio.

😉 Procure tomar sol para estimular a produção de vitamina D pela pele, pelo menos 15 minutos ao dia, antes das nove horas ou depois das quinze horas para evitar os raios UV.

🏃‍♀️ Fazer exercícios regularmente pode ajudar em vários aspectos: controlar o apetite, melhorar a digestão, controlar o peso, contribuir para a saúde dos ossos além de poderoso e positivo efeito sobre as emoções, a saúde mental e conjugal.
👉🏼 Sempre consulte o seu Ginecologista para uma orientação personalizada!

Administrador ou Gestor?

Em uma reunião, fui apresentado a um senhor como ele sendo o administrador da empresa. Não levou 15 minutos para eu perceber que, na verdade, se tratava de um gestor.

É comum trocar os termos “gestão de assistência médica” e “administração de assistência médica”, pois eles parecem ter o mesmo significado, embora sejam atividades muito diferentes neste setor. Um dos motivos para esta confusão reside no fato que muitas organizações de saúde menores mesclam essas duas funções, para economizar nos custos. Em linhas gerais, podemos dizer que um cuida da organização, enquanto o outro administra as pessoas. O termo gestão surgiu da necessidade de agregar à visão mais tecnicista da administração um conceito transdisciplinar, para atender as demandas sociais, políticas e culturais. Desta forma, com ações mais contextualizadas e interligadas, é aberto um espaço para uma estratégia mais ampla e descentralizada.

Mas qual é a diferença entre o administrador e o gestor?

O administrador é voltado para o lado técnico, com foco no processo administrativo e nos objetivos da companhia. É responsável pela condução da empresa, com planejamento, controle e direção dos recursos humanos, materiais e financeiros. Um administrador efetivo da área da saúde se familiariza com o tipo de atividade que sua instituição oferece, para entender as demandas de seu pessoal, dos pacientes e da empresa.

O gestor é responsável pelo planejamento estratégico, concepção gerencial e processo político-administrativo. Ele precisa manter a sinergia entre as pessoas, a estrutura e os recursos existentes. Para atingir os objetivos da organização de maneira eficiente e eficaz, ele deve valorizar o conhecimento e as habilidades das equipes de trabalho. Além disso, é necessário estimular a participação, a autonomia e a responsabilidade dos funcionários. Uma boa gestão, além de compreender a parte técnica e a administrativa da empresa, necessita entender como está o mercado em relação aos clientes e aos concorrentes.

Quando você se envolve com gestão de saúde, você precisa se preocupar com diversos aspectos, tais como políticos, contábeis, bem como o gerenciamento da estrutura. Para ser competitivo em seu campo, é interessante para um gestor de saúde ter conhecimento de contabilidade e de assistência médica, para ajudar a desenvolver as habilidades necessárias na abordagem das preocupações de sua posição. O gestor de saúde deve estar sempre atento com sua rede de contatos, além da operação geral da empresa, e deixar o gerenciamento diário da equipe para o administrador.

Enfim, a governança corporativa é uma arte complexa, onde ainda ouviremos muito a pergunta:

“Administrador ou Gestor?”

Remédios e Menopausa

O tratamento para menopausa pode ser feito com o uso de medicamentos hormonais, mas sempre sob orientação médica. ⚠

👉🏼 Para algumas mulheres esta terapia é contraindicada, como ocorre no caso das que possuem câncer de mama ou de endométrio, lúpus, porfiria ou tenham tido episódios de infarto ou AVC.

👉🏼 Para as que não possuem contraindicações, a terapia de reposição hormonal pode ser indicada.

Ela é capaz de diminuir a intensidade dos sintomas da menopausa, como as ondas de calor, irritabilidade, osteoporose, doenças cardiovasculares, secura vaginal e a instabilidade emocional.

👉🏼 Além disso, antidepressivos e calmantes também podem ser indicados pelo médico, dependendo da gravidade dos sintomas.

⚠ Nada disso substitui uma boa alimentação e práticas de exercícios físicos pois, além de todos os benefícios, proporcionam liberação de endorfinas na corrente sanguínea e promovem a sensação de bem estar.

Mudanças no corpo?

Você também se sente diferente e não sabe o motivo?

👉🏼 As alterações hormonais do climatério estão programadas para acontecer na vida da mulher por volta dos 50 anos, mas podem surgir antes dos 40, embora seja mais comum entre os 45-55 anos de idade.

👉🏼 No climatério os ovários passam a produzir uma menor quantidade de estrogênio e de progesterona e com essa diminuição e a interrupção definitiva da menstruação, surgem osteoporose, acúmulo de gordura na cintura, e a pele e os cabelos ficam ressecados e perdem seu brilho.
As ondas de calor e a secura vaginal também fazem parte desse processo.

Com a diminuição de dopamina e de serotonina aparecem também os transtornos de humor e os sintomas depressivos.

👉🏼 É muito comum que até a interrupção total da menstruação ela fique irregular, com aumento do fluxo de sangue e com ciclos muito curtos ou muito longos.

😉 Se você se encontra nessa fase, busque um acompanhamento adequado para a melhora desses sintomas. Tudo tem solução!

Doenças na Menopausa

👩 Com a chegada da menopausa, a mulher fica mais vulnerável a algumas doenças.

👉🏼 No período do climatério ocorrem diversas modificações hormonais, circulatórias e sanguíneas na mulher que favorecem a progressão de doenças cardiovasculares e hábitos ruins como sedentarismo, tabagismo, atividade física regular e sobrepeso aumentam a incidência dessas doenças também.

👉🏼 Apesar do risco de câncer de mama ser a principal preocupação feminina, 53% das mulheres brasileiras morrem em decorrência de doenças cardiovasculares em comparação aos 4% do câncer de mama.

Dentre essas doenças, as mais comuns nessa evento da vida, são o AVC e infarto (como mostram estudos) e entre os 45 e os 64 anos, uma em cada nove mulheres tem alguma forma de doença cardiovascular e, após os 65 anos, essa relação passa para uma em cada três mulheres.

👉🏼 Além dos hábitos ruins que devem ser eliminados ao longo da vida, a terapia de reposição hormonal (TRH) normalmente é considerada para o alívio dos sintomas climatéricos, conservação da massa óssea, melhoria do bem-estar e da sexualidade e proteção contra a perda do colágeno.

❓ Você tem alguma dúvida sobre isso? Deixe aqui nos comentários.

Por que eu acredito na Saúde Pública?

Por que eu acredito na Saúde Pública? Porque eu já vi dar certo.

Eu poderia encerrar aqui o meu texto, já que este é o maior motivo da minha crença. Porém, provavelmente, muitos não acreditariam nisso. Todos reconhecemos que, há décadas, a nossa saúde pública, salvo raras e honrosas exceções, entregam um atendimento de baixa qualidade.

Então, o que torna tão difícil a melhoria desses serviços?

Seria muito simplista falar que as dificuldades são causadas por falta de vontade ou aporte financeiro. Sem dúvida, são dois fatores importantes, mas a realidade é muito mais complexa do que somente isso.

Primeiramente, eu entendo como indiferente a saúde ser pública ou privada, uma vez que as pessoas e suas necessidades são, na sua essência, as mesmas. Na verdade, a diferença está na gestão.

As interferências políticas na saúde são, sem dúvida, um dos maiores problemas enfrentados nesse segmento.

Os gestores precisam ser escolhidos por meritocracia e terem a autonomia necessária para selecionar sua equipe, bem como sua forma de gestão. 

O recrutamento de pessoas deverá seguir critérios fundamentais como comprometimento, disciplina e técnica. Um colaborador comprometido não se limita a entregar apenas o que esperam dele, mas procura sempre agregar valor. Disciplina e técnica também são atributos indispensáveis para a efetividade do trabalho. No entanto, não basta termos um time se ele não se comportar como tal. Cada um, dentro da sua expertise, precisa saber trabalhar de forma sinérgica com os outros membros da equipe.

Com o “staff” definido, torna-se possível a realização do planejamento estratégico. Após a estipulação de metas a serem alcançadas, por parte de entidade reguladora pública ou privada, é importante escolher um referencial teórico. Este deverá ser um serviço de excelência, público ou privado, de igual porte e no mesmo ramo de atividade, com o objetivo de, minimamente, igualar sua qualidade. Em seguida, analisar, minuciosamente, os pontos fortes, fracos, as oportunidades e ameaças (análise SWOT da unidade). Assim, com a participação de toda a equipe, terá uma base melhor para a criação de processos e linhas de cuidado, com maior eficiência e eficácia no cumprimento das metas.

Contudo, é imprescindível a avaliação periódica do serviço, idealmente por uma comissão formada por membros do órgão regulador, da própria direção e representantes dos usuários.

Sendo assim, mesmo com toda a complexidade do sistema, posso afirmar que é factível.

Então, por que não vemos isso funcionando em toda a rede pública?

Lembra quando falei das interferências políticas?…

Até quando posso engravidar?

👉🏼 Já faz tempo em que engravidar entre 20 e 30 anos era comum para a maioria das mulheres.

Devido a muitas mudanças comportamentais, culturais e sociais, a idade média em que uma mulher engravida aumentou e muitas ultrapassam a faixa dos 35 anos.

👉🏼 Isso é um problema? Vou explicar.

Para o Ministério da Saúde, mulheres com mais de 35 anos devem ter uma atenção diferenciada na gestação por serem mais suscetíveis a algumas doenças como hipertensão gestacional e diabetes gestacional, por exemplo.

👉🏼 Mas é claro que tudo depende do estilo de vida dessa mulher que pode ser muito mais saudável do que uma 10 anos mais nova.

Sem sombra de dúvida, os hábitos interferem em uma gestação sem risco sem deixar de considerar que a partir dos 35 anos os óvulos entram em processo de envelhecimento, o que vai tornando cada vez mais difícil o alcance do sonho da maternidade.

⚠ Com um acompanhamento adequado, até o início de uma menopausa, é possível engravidar, porém as chances vão diminuindo a cada ano já que o estoque de óvulos vai acabando e perdendo a qualidade.

👉🏼 Planeja engravidar a partir dos 35 anos? Consulte o seu médico para entender as possibilidades e fazer o acompanhamento necessário.

Menopausa chegou?

A tão temida menopausa chega para todas as mulheres. 😋

👉 É possível descobrir quando ela chegar através de exames que apenas o seu médico pode passar.

👉 São eles:

– FSH (Hormônio Folículo-Estimulante): Esse hormônio tem como função promover a maturação dos óvulos durante a idade fértil. Os valores de FSH variam de acordo com o período do ciclo menstrual e a idade da mulher. Caso os exames revelem que os valores desse hormônio estão elevados, isso indica que há uma diminuição na função ovariana, ou seja, diminuição da fertilidade da mulher.

– LH (Hormônio Luteinizante): Assim como o FSH, o LH é responsável pela ovulação e produção de progesterona e seus valores variam de acordo com a fase do ciclo menstrual. Normalmente, quando os exames revelam valores muito elevados, indica menopausa.

– Cortisol: É um hormônio naturalmente produzido pelo corpo com o objetivo de ajudar o organismo no controle do estresse e na diminuição da inflamação. Quando encontrado concentrações altas desse hormônio no sangue, pode haver alterações no ciclo menstrual. Com esse exame, o médico pode avaliar se essas alterações são sinais de menopausa ou níveis elevados de cortisol.

– Prolactina: É um hormônio importante para regular outros hormônios femininos que pode interferir na ovulação e na menstruação. Com níveis altos de prolactina no sangue, a mulher pode apresentar sintomas como menstruação irregular ou ausência de menstruação, assim como sintomas comuns da menopausa.

– HCG: É um hormônio produzido durante a gravidez que tem como função manter a gestação. Se nos exames indicar esse hormônio no sangue, ao invés de alterações hormonais causadas pelo climatério, serão alterações causadas pela gravidez.