Equipe homogênea ou heterogênea?

Sem dúvida, heterogênea.

A heterogeneidade não significa inevitáveis conflitos.

Unir diferentes gerações, em geral, traz benefícios para o resultado final, onde a experiência e a proatividade ganham mais espaço.

Ter uma equipe interdisciplinar, com profissionais de diferentes expertises, mas que agem de forma complementar e sinérgica, aumenta sua eficiência e eficácia.

Já um grupo só formado por pessoas de perfis semelhantes, mesmo muito qualificado, pode ter uma forte atuação pontual, enquanto as fragilidades enfrentam maiores dificuldades.

Por que Climatério?

Muitos me perguntam por que dar atenção especial às mulheres do climatério.

Bem, vários são os motivos que me levaram a dedicar grande parte do meu estudo para essa fase da vida delas.

Sempre fiquei fascinado pela influência que os hormônios têm sobre o corpo.

No caso dos hormônios ovarianos, eles agem nos ciclos menstruais, ovulação, gestação, circulação, digestão e até nas emoções.

Mexem com o útero, mamas, pele, distribuição da gordura, fígado, aparelho digestório, vasos sanguíneos, ossos e até cérebro.

Além disso, segundo o último censo do IBGE, 51% da população brasileira é composta por mulheres e, se considerarmos apenas as pessoas acima de 40 anos, a população feminina sobe para 53%.

Mesmo assim, ainda são poucos os profissionais que se dedicam às mulheres que estão neste novo período de grandes mudanças no seu organismo.

Portanto, tenho me empenhado em cuidar dessas jovens senhoras que têm, no climatério, uma oportunidade de se reinventar e ter uma excelente qualidade de vida.

Viajar é preciso

Peço aqui licença ao general romano Pompeu que, no século I a.C., encorajava seus marinheiros com a frase “Navigare necesse, vivere non est necesse”, repetida ao longo da história pelo poeta italiano Petrarca, no século XIV, e pelo inesquecível Fernando Pessoa.

Assim, cometo a heresia de adaptá-la à minha realidade onde “viajar é preciso”.

É preciso conhecer locais diferentes, de culturas diversas e entendimentos adaptados às suas realidades.

Quando viajo, além da evidente contribuição ao conhecimento e à cultura, pratico um verdadeiro exercício de resiliência, tolerância e respeito a visões diferentes.

Quando saio em meus passeios, entendo porque um dos significados de “viajar” é “sonhar”.

Conhecendo realidades tão diferentes, sonho com um mundo onde o convívio seja harmônico, e tenha como objetivo principal tornar a vida mais feliz.

Diferença fundamental

Hoje gostaria de compartilhar com vocês uma reflexão sobre a diferença entre ser médico e ser formado em medicina.😉


Quando o nosso propósito vai além dos papéis que representamos, seja na vida ou na carreira. Ser médico vai além de ter um diploma!

O papel do médico não restringe-se a um título. Exercer medicina vem se transformando ao longo do tempo e adquirindo novos sentidos nos últimos anos.

Além das questões humanas, é imprescindível que o médico esteja em contato com a tecnologia e suas fontes de informação para poder evoluir cientificamente e trazer ao paciente melhores serviços e resultados.

Talvez estejamos presenciando uma das maiores revoluções na ciência e na medicina. É a Revolução da Informação, que engloba diversas modificações na prática da nossa arte milenar de tratar doentes e curar doenças.

Por esse motivo, hoje eu pensei em pausar e pensar mais em como estamos nos conectando, em como anda a nossa relação com as fontes de informação, principalmente nesse contexto tão delicado onde a saúde é (e sempre será) um tema que transcende a medicina.

Fiquei curioso para saber como anda a relação de vocês com as suas fontes de informação… as que falam sobre saúde e bem estar, por exemplo… vocês acham que por aqui, nós conseguimos trazer conteúdos interessantes e informações seguras?