Dormir está difícil !

A vida saudável tem três pilares: boa alimentação, atividade física regular e boa qualidade do sono.

Principalmente durante o climatério, a atenção sobre estes fatores precisa ser redobrada.

Muitas mulheres são “multitarefas”, pois trabalham, cuidam da casa, dos filhos e do marido, etc.

No final do dia, a cabeça está cheia, o estresse está alto e, com isso, quem sofre é o sono…

Isso sem falar das que têm o hábito de, ao deitar, ficar mexendo no celular ou tablet, o que atrapalha, e muito, a chegada do sono.

O pior é que, com as noites mal dormidas, aumenta a compulsão por alimentos calóricos e, como consequência, podem surgir ganho de peso, resistência insulínica, diabetes, problemas cardíacos e hipertensão arterial.

Sendo assim, procure desacelerar, nas duas horas que antecedem o sono, com atividades mais relaxantes.

Que tal trocar o celular por um livro ou ouvir uma música calma na cama?

Evite consumir cafeína após as 6 horas da tarde

Após a menopausa, a bexiga diminui sua capacidade de armazenar urina, portanto, nesta fase é melhor não beber líquidos próximo do horário de dormir. 

Além disso, uma alimentação saudável durante o dia, sendo mais leve à noite, aliada à prática de exercícios, melhorarão sua qualidade do sono.

Melhore sua qualidade de vida ! Afinal, saúde é fundamental.

Dor nas Juntas ?

Você sente dor quando levanta e melhora quando começa a caminhar?

Sendo assim, você pode estar com artrose.

A diminuição dos hormônios, que acontece no climatério, prejudica as cartilagens e favorece o aparecimento da artrose, principalmente nas mulheres que estão com “uns quilinhos a mais”.

Mas existem algumas medidas que vão ajudar a prevenir, ou agravar, esta doença.

  • ALIMENTAÇÃO – Procure frutas e legumes antioxidantes como cebolas, maçãs, abacaxis e morangos. Peixes, ricos em ômega 3, também são muito bem-vindos. Evite alimentos industrializados, pois produzem sódio e causam inchaço e dor nas articulações.
  • ATIVIDADE FÍSICA – É muito importante a prática de exercícios regulares, de leve a moderado, de preferência com acompanhamento de um profissional de educação física. O fortalecimento da musculatura protege os ossos de impactos que aceleram o desgaste das cartilagens nas articulações.
  • TRATAMENTO – Além da fisioterapia, existem alguns medicamentos que podem ser muito benéficos para as articulações. Porém, só aceite medicamentos prescritos por um reumatologista ou ortopedista.

A artrose não tem cura, mas estes cuidados irão melhorar muito sua qualidade de vida.

Pílulas e seus mitos

Todas as semanas sou procurado para tirar dúvidas sobre a pílula.

Sendo assim, listei, abaixo, as mais frequentes:

  • IDADE – Não existe idade para começar com pílula anticoncepcional. De adolescentes a mulheres adultas, a orientação é que se inicie com as de dosagem mais baixa (também muito eficazes), para avaliar se aparecerão efeitos colaterais.
  • PAUSA – Não existe base científica que indique a necessidade de fazer pausas para “descansar” da pílula.
  • INFERTILIDADE – Após a interrupção do anticoncepcional, ele não tem mais nenhuma influência sobre a fertilidade.
  • EFEITO – A pílula não perde seu efeito com os anos de uso.
  • ENGORDA – Nem toda mulher engorda com uso da pílula. Em alguns casos pode ocorrer aumento de peso devido à retenção de líquidos no corpo ou a hábitos alimentares pouco saudáveis.

Você tinha alguma destas dúvidas?

O que coça ?

O líquen escleroso é uma doença crônica que causa manchas brancas, coceira e até fissuras na pele, principalmente da vulva.

Ela parece, geralmente, nas meninas que ainda não menstruam e nas mulheres após a menopausa.

O tratamento dura meses e é realizado através de cremes ou pomadas específicas.

O problema é que, quando acontece uma melhora, muitas mulheres abandonam o tratamento e pode haver uma recorrência, ou evoluir para doenças mais graves, como o câncer de vulva.

Sendo assim, procure um profissional, logo no início dos sintomas, e siga corretamente a orientação dada.

Mitos e verdades sobre candidíase

Cerca de três a cada quatro mulheres apresentam candidíase, ao menos, uma vez na vida.

Então, eu separei uma lista de mitos e verdades sobre o assunto.

1) A candidíase é uma infecção sexualmente transmissível.
|| MITO || A cândida faz parte do conjunto de microrganismos que habitam o canal vaginal e todas as mulheres já nascem com eles. Quando acontece alguma situação favorável para que ela se multiplique, causa uma irritação chamada candidíase.
Logo, não é considerada uma IST.

2) Usar sempre calcinhas de algodão ajudam a evitar a candidíase.
|| VERDADE || Calcinha de algodão ajuda a pele a respirar e não reter umidade, principalmente quando utilizada com saias ou roupas largas.

3) É preciso ferver as roupas íntimas ou passá-las a ferro.
|| MITO || Basta lavar, enxaguar bastante (para não deixar vestígios do sabão ou amaciantes) e deixar secar bem.

4) A candidíase acontece por falta de higiene.
|| MITO ||
Ela acontece por desequilíbrio do conjunto de organismos que habitam o meio vaginal. Pode ser causada exatamente pelo excesso de produtos químicos ou duchas vaginais. A higiene deve ser feita apenas externamente, com água e sabão neutro.

5) Quem tem baixa do sistema imunológico está mais propensa a ter candidíase.
|| VERDADE ||
Pacientes em quimioterapia, com estresse crônico, poucas horas de sono, vida muito agitada, sobrecarga física e mental, fumantes ou portadora de doenças que afetam o sistema imunológico estão mais vulneráveis para desenvolver a candidíase.

6) Mulheres diabéticas têm mais chance de desenvolver candidíase.
|| VERDADE ||
O diabetes desequilibra o meio vaginal e favorece a multiplicação da cândida.

7) Toda coceira ou ardência vaginal é por cândida.
|| MITO ||
Outras doenças podem apresentar estes mesmos sintomas, portanto é necessária uma avaliação médica. A automedicação pode ser tanto ineficaz, quanto perigosa por agravar outras doenças.

Candidíase de repetição

Você já teve problemas com a cândida mais de 4 vezes no último ano?

Se a resposta for sim, isto é chamado de candidíase de repetição e você precisa conversar com seu médico a respeito.

Enquanto isso, listei abaixo algumas dicas que vão ajudar.

  • Evite massas, doces, refrigerantes e bebidas alcoólicas, pois alteram a acidez vaginal e torna um ambiente próprio para a cândida se multiplicar.
  • Antibióticos só com indicação médica. O uso indiscriminado prejudica o equilíbrio das bactérias vaginais e abre espaço para a candidíase.
  • A cândida é um fungo e, logo, adora calor e umidade. Calças apertadas, protetores diários e roupas íntimas de material sintético retêm a transpiração e ajudam a agravar o quadro. Se for à praia ou à academia, assim que possível tome um banho e coloque roupas secas.

Também existem outras situações que facilitam o aparecimento da candidíase, tais como gravidez, climatério, anticoncepcionais hormonais, baixa imunidade, entre outros.

Então, caso ocorra o problema, procure ajuda profissional para um tratamento adequado.

IST no Climatério?

Com o avanço no tratamento dos distúrbios sexuais, passou a ser observado um crescimento nas infecções sexualmente transmissíveis nos homens e mulheres acima de 45 anos.

Trata-se de um fenômeno não só do Brasil, mas observado por artigos científicos do Canadá, Estados Unidos, Austrália e países da Europa.

As principais razões alegadas são que:

  • As pessoas mais velhas estão mais ativas, logo, mais propensas à atividade sexual;
  • Aumento de drogas para disfunção erétil, com homens mais velhos e sexualmente ativos;
  • Maior número de divórcios na meia idade;
  • Crescimento de plataformas online para encontros, com desconhecimento dos antecedentes e da história sexual dos parceiros;
  • Baixa percepção de risco e pouco uso de preservativo, pois não precisa mais prevenir a gravidez e ocorre uma priorização da intimidade acima dos riscos de novos relacionamentos;
  • Falta de educação formal sobre sexo seguro.

E ninguém fala sobre isso:

  • Constrangimento em discutir sexo e IST em geral, tanto médicos quanto pacientes, principalmente com a população mais velha;
  • Poucas pessoas pedem para serem testadas e poucos médicos oferecem o exame;
  • Assim como acontece no HIV, o diagnóstico tardio aumenta o risco de transmissão e as complicações;
  • Particularmente no HIV, os sintomas como fadiga, fraqueza e perda de memória podem ser confundidos com sinais da idade e outras condições clínicas.

Por tudo isso, entendo como extremamente importante a formulação de campanhas para sexo seguro na maturidade.

Sexo e hormônio

Nem todos os problemas sexuais da perimenopausa estão relacionados às alterações hormonais.

No entanto, a queda na produção do estrogênio nessa fase da vida da mulher traz impactos significativos na sexualidade feminina.

Além da diminuição na sensibilidade da pele e na cognição, o que dificulta a transmissão de estímulos ao cérebro, a menor quantidade deste hormônio reduz o fluxo sanguíneo genital com prejuízo na elasticidade e lubrificação da vagina, trazendo desconforto na hora do sexo.

Porém, se o estrogênio ajuda a melhorar as condições para a prática sexual, a testosterona produzida no organismo feminino, mesmo em quantidade menor que no homem, é a responsável pela iniciativa e motivação para o sexo.

A exemplo do que ocorre com o estrogênio, os níveis de testosterona no climatério também se encontram reduzidos.

Mas calma!

Tudo isso pode ser melhorado com uma boa orientação e tratamentos adequados.

Converse com seu médico a respeito deste assunto.