Refúgio

Hoje eu conversava com uma pessoa a respeito da Síndrome de Burnout.

É bem verdade que esta doença acomete, principalmente, profissionais da Saúde. Porém, ao entender o que ela significa, você vai perceber que também pode afetar outras pessoas.

Em tempos de pandemia, com o medo do contágio, o confinamento imposto e as dificuldades financeiras para a maioria da população, é inegável o impacto no emocional das pessoas.

Assim como as longas jornadas de trabalho sob forte pressão, a cobrança de resultados e o receio da exposição, também têm castigado muito os profissionais de saúde.

Burnout, também chamada de síndrome da estafa profissional, é uma doença causada pelo estresse ocupacional contínuo e prolongado. Ela é caracterizada por um esgotamento profissional, com perda da personalidade e ineficácia na realização das tarefas, agravados pela indolência e sentimento de culpa.

Sendo assim, é fundamental você saber dosar a sua carga de trabalho e intercalar com momentos de descanso, para repor as energias. Atualmente, tenho escutado de muitas pessoas que trabalham ainda mais em “home office”, se comparado ao tempo dispensado na época em que o horário era cumprido na empresa.

Ficar imerso no trabalho, de forma intensa e ininterrupta, com a alegação que deixará para descansar mais tarde, é o primeiro passo para adoecer corpo e mente.

Em momentos difíceis como os atuais, é de extrema importância sabermos equilibrar as atividades laborais e o lazer. Se possível, recorrer a um local que possibilite recuperar as forças.

Por isso, quando me perguntam porque vou à Teresópolis, mesmo sem precisar e para não fazer nada, respondo:
“Nunca foi tão importante termos um refúgio”.

Suboclusão intestinal: O que é isso?

A suboclusão intestinal é uma situação na qual as fezes têm dificuldade de passar normalmente pelo intestino.

As causas são as mais diversas.

Podem ser bridas, também chamadas de aderências, que, literalmente, colam uma parte do intestino em outra, seja dele mesmo ou de outros órgãos. Isso pode ser causado por cirurgias, inflamações ou por radioterapia.

Também podemos ter este problema quando acontece uma torção do intestino, chamada de volvo (a vovó chamava de ”nó nas tripas”, rsrs).

Outras causas seriam tumores, benignos ou malignos, que podem invadir ou comprimir uma região do intestino e dificultar seu funcionamento.

Outras causas de obstrução mecânica do intestino seriam hérnia, corpo estranho ou até verminose por ascaris (esses a vovó chamava de lombrigas).

Ainda existem as causas metabólicas, provocadas por medicamentos ou falta de substâncias, do nosso organismo, necessárias para manter a movimentação e o bom funcionamento do intestino.

Os sintomas mais comuns são as dores abdominais, náuseas, vômitos e parada na eliminação de gases ou fezes.

O tratamento da suboclusão intestinal pode ser realizado através de medicamentos que estimulam a movimentação do intestino, procedimentos endoscópicos ou até uma intervenção cirúrgica para liberar, ou mesmo retirar, a parte afetada.

Há 37 anos…

UFRJ 1984

Essa foto está completando 37 anos.

Nela, estão sonhadores comprometidos em cuidar das pessoas.

Durante todos estes anos, alguns sonhos se mostraram utópicos, outros improváveis, alguns surgiram, vários se realizaram, mas, o que não se modificou foi o brilho nos olhos dos que dedicaram suas vidas a cuidar das outras pessoas.

Tenho a felicidade de manter contato com grande parte desse grupo.

Minha admiração só aumenta pela coragem em manter a capacidade de sonhar, assim como a recusa de se acomodar em uma merecida aposentadoria e cessar com a exaustiva atividade do exercício da medicina.

Incansáveis na busca do conhecimento, até hoje trocamos informações e nos encontramos em inúmeros congressos.

No Rio, espalhados pelo Brasil e no exterior, continua o respeito, a amizade, a cumplicidade e a alegria dos encontros.

Hoje, aniversário de nossa formatura, comemoro a oportunidade e o privilégio de poder chamar todos de AMIGOS.

Ligadura de trompas

Uma dúvida comum, entre as mulheres, é quando elas têm o direito de ligar as trompas.

Muitas desconhecem que existe uma lei que estipula se, e quando, isto pode ser feito. Esta é a lei nº 9263 de 1996, ou ”Lei do Planejamento Familiar”.

Para adquirir direito à ligadura ela precisa ter ao menos 01 dos pré-requisitos abaixo:
• Ter mais de 25 anos (mesmo sem filhos);
• Maiores de 18 anos e, pelo menos, dois filhos vivos;
• Doença que proporciona “risco à vida ou à saúde da mulher ou do futuro concepto, testemunhado em relatório escrito e assinado por dois médicos”.

Porém, a lei também traz algumas regras que devem ser cumpridas:
• É proibido realizar a ligadura no parto, exceto nos casos de comprovada necessidade, por cesarianas sucessivas anteriores;
• Precisa manifestar, 60 dias antes da cirurgia e através de um documento escrito, sua vontade de realizar o procedimento;
• Na vigência de sociedade conjugal, a esterilização depende do consentimento expresso de ambos os cônjuges.

De qualquer forma, vale lembrar que existem outras formas menos invasivas para se evitar filhos.

Fica a dica!

Cortinas abertas

Um dos efeitos colaterais da pandemia foi descortinar as enormes fragilidades e dificuldades da atenção primária nos estados e municípios.

A lógica de descentralização e integração do excelente modelo organizacional do nosso Sistema Único de Saúde (SUS) foi rompida pelas esferas, federal, estaduais e municipais, uma vez que se tornaram estanques pela grande dificuldade de comunicação e interação entre elas.

Assistimos uma atenção primária agonizante em uma luta inglória, devido à sua desarticulação e subfinanciamento, onde o Brasil está entre os piores repasses orçamentários per capita, para a Saúde, na América Latina. A municipalização trouxe a atenção para mais próximo das pessoas, o que é positivo, pois facilita o acompanhamento e cobrança dos governantes por uma melhor assistência. Porém, não foi acompanhada pela descentralização dos recursos financeiros.

A valorização da assistência básica de saúde tem sido abandonada, progressivamente, há anos. A resolutividade das Unidades Básicas de Saúde (UBS) e da Estratégia Saúde da Família (ESF), portas de entrada do SUS, tem sido cada vez menos efetiva.

Por conta da demora na marcação de consultas e exames, os pacientes recorrem às unidades de emergência, como as Unidades de Pronto Atendimento (UPA) e as Coordenações de Emergência Regional (CER), na busca de uma solução mais rápida para seu problema.

Com isso, o que observamos são emergências lotadas de pacientes que têm seus quadros agravados pela espera, com consequentes internações tardias, maior tempo de hospitalização e superlotação hospitalar.

É necessário, e urgente, que o Ministério da Saúde assuma seu papel de coordenador e regulador na organização do sistema de trabalho.

A começar pelo incentivo na formação dos profissionais generalistas e agentes comunitários de saúde, pois a atenção básica também deve se preocupar em vincular essas pessoas às unidades onde atuam e proporcionar aos usuários uma referência clara de quem são os responsáveis pelo seu cuidado. Para tal, entendo como fundamental a estruturação de um plano de carreira com progressão de atribuições e benefícios dentro do Sistema de Saúde. 

Educação em Saúde para a população e equipes multidisciplinares capacitadas e treinadas na prevenção de doenças devem constituir objetivos a serem perseguidos.

Com foco no diagnóstico precoce e acompanhamento adequado dos pacientes, o sistema de regulação (SISREG) deve ser efetivo e transparente, para promover maior celeridade na marcação de consultas e exames, bem como acesso às internações.

O uso da tecnologia também não pode ser negligenciado. Criação de interfaces entre os sistemas de informática ambulatoriais e hospitalares para acesso único e universal ao prontuário do paciente, aplicativos de auxílio na marcação, acompanhamento e confirmação dos atendimentos, bem como para divulgar informações sobre ações em saúde, são algumas das facilidades que esta ferramenta pode oferecer.

A repactuação de atribuições de cada esfera também é essencial para uma atuação sinérgica entre elas. Como exemplo, temos a grande dificuldade que os municípios têm para abastecer suas unidades. A centralização na compra de materiais e medicamentos traria um ganho em escala substancial, além de possibilitar uma distribuição equânime entre os entes federativos.

Por fim, esses são alguns dos pontos que destaco para que possamos trilhar na direção de nosso objetivo na Saúde, que é proporcionar às pessoas viverem mais e melhor.